Imprimir

Blog inglês entrevista Charlotte

Escrito por Angélica.

Confira a nova entrevista de Charlotte para o blog Road Dogg Reviews:

 

É Stardust... Uma entrevista com Charlotte Wessels

 

"The Human Contradiction" é o trabalho de estúdio mais recente do Delain, que desde 2005 tem feito turnês e gravado incansavelmente para oferecer, ao seu exército de fãs, um padrão consistente e elevado de música. THC é o maior lançamento da banda até hoje. Charlotte Wessels, frontwoman do Delain, viu a banda passar por várias mudanças de alinhamento e foi capaz de oferecer uma visão ampla sobre essa trajetória, antes do lançamento do novo álbum.

 

"The Human Contradiction" é o quarto álbum da banda. Qual é o diferencial dele?

Eu acho que, além de dar continuidade à lógica da composição de melodia e letra de We are the others, o THC também é um reflexo das nossas gravações anteriores, com grunts e arranjos orquestrais, etc. Para mim, essa gravação representa uma mistura entre o antigo e o novo, por assim dizer.

Stardust é uma boa representação do resto do álbum ?

De certa forma, sim. Eu acho que funciona muito bem como um single, por ser cativante e empolgante, sem faltar conteúdo. De outra forma, não é necessariamente o padrão do material que está no novo CD. Há músicas mais elaboradas, como Here Come the Vultures, The tragedy of the commons ou Sing to me, que poderiam ser mais apropriadas.

O que inspirou o título do álbum?

O título The Human Contradiction foi retirado da trilogia “Lilith’s Brood” de Octavia E. Butler, uma história pós-apocalíptica onde a humanidade não sobreviveu e o motivo disso foram duas das nossas qualidades mais contraditórias: o fato de sermos uma espécie tanto inteligente quanto hierárquica. Esta contradição humana provoca uma mentalidade “nós contra os outros”, uma atitude que faz com que os seres humanos selecionem aleatoriamente qualidades nos outros e usem essas qualidades para justificar uma classificação maior ou menor deles em uma escada construída socialmente, o que permite a criação de dualismos, do homem e da mulher, negro e branco, humano e não-humano, natureza e cultura... É exatamente essa estrutura que permite a existência dos sistemas de opressão, como o racismo, o sexismo, o especismo, etc. Uma atitude que no livro, e também na realidade, se revela mais autodestrutiva.

Dessa forma, o THC apresenta um alargamento e aprofundamento do conceito lírico do nosso CD anterior, o We Are The Others: a "alteridade" e como as pessoas se relacionam com isso - é um tema que realmente se tornou muito pessoal para mim e pelo qual tenho me sentido obcecada tanto artisticamente quanto academicamente nos últimos dois anos. Também se tornou um tema recorrente nas letras do Delain. Quer se trate de alteridade dentro da nossa espécie ou com relação às pessoas percebidas como "diferentes" por outras (o que foi o foco principal de “We Are The Others”) ou em nossas atitudes em relação a "outros" não-humanos (animais), que é a adição lírica feita por nosso novo álbum.

Como você estabeleceu a composição para este álbum?

Tomamos uma decisão muito deliberada de fazer tudo entre nós, sem envolver terceiros até que realmente fosse necessário. No nosso CD anterior, muitas pessoas estavam envolvidas. Muito disso, como a nossa equipe de produtores, foi positiva. Mas, também estávamos envolvidos com muitas pessoas de gravadoras e agências diferentes, e, por isso, recebíamos um monte de opiniões diferentes. Agora estamos teimosos o suficiente para não deixar ninguém nos orientar para longe do que queremos fazer musicalmente. Também notamos que grande quantidade de energia precisou ser empregada para lidar com “política” em vez de com o processo criativo. Ter deixado o projeto do The Human Contradiction entre nós, incluiu ter Martijn de volta ao posto de produtor, o que permitiu que nos concentrássemos na música. Também permitiu um processo criativo livre, por nós não criticamos muitas das ideias que surgiam na sala de composição.

Com Interlude , vocês lançaram versões alternativas, covers e remix, assim como novas canções. Há mais material como esse escondido por aí? Ou exposto para que o mundo possa desfrutar?

Há sempre algum material trancado nos cofres, mas acho que um monte deles provavelmente ficará assim. Eu, pessoalmente, gosto de começar a fase de escrita para um novo CD como se fosse um recomeço. Também é por isso que eu fiquei tão feliz por poder gravar algum material para o Interlude. Naquela época havia uma grande quantidade de material que nós gostávamos muito, mas, que nunca usaríamos e que também não se encaixaria em um novo CD.

Em seu último álbum que você escreveu: "We are the others" sobre Sophie Lancaster. Como você se sente agora que ataques contra membros das subculturas rock e metal, em Manchester, passaram a ser classificados como crimes de ódio?

Quando algo é considerado um incidente isolado parece menos importante tomar medidas a longo prazo. Esse tipo de ataques violentos em relação às pessoas do (especificamente, embora não exclusivamente) Rock e Metal, no entanto, não são incidentes isolados e não devem ser representadas como tal. Eu acho que apontar esses ataques como crimes de ódio - algo que a Fundação Sophie Lancaster tem trabalhado muito duro para conseguir - é um primeiro e importante passo no sentido de reconhecer a seriedade desse problema.

Para conferir a entrevista original (em inglês), clique aqui.

 

 

Imprimir

Feliz aniversário, Charlotte!

Escrito por Angélica.

Hoje, a nossa querida Charlotte completa 27 primaveras!

Feliz aniversário, Charlie! Ou, como os holandeses dizem, Gelukkige Verjaardag!

Imprimir

Charlotte dá conselhos para quem participa de rodas-punk

Escrito por Angélica.

Charlotte surpreendeu ao dar um depoimento ao site Metal Underground com seus conselhos para fãs do chamado "mosh", "mosh pit" ou "roda-punk". Leia abaixo:

"Meus melhores dias de moshing aconteceram quando eu tinha entre 14 e 17 anos, então eu acredito que tenho muita experiência na etiqueta do moshpit. Ainda assim, eu tive que aprender um monte de coisas da maneira mais difícil. Por exemplo, o fato de que eu deveria fazer stage diving de costas e não de frente (uma vez, meus seios chegaram a pousar exatamente nas mãos de um amigo sorridente) e que All Stars não são sapatos confortáveis para moshpit (em uma outra vez, eu não percebi que estava pulando sobre garrafas de cerveja quebradas. Sangue. Sangue por todo o lado).

Além disso, tem o fato de que muitos artistas acham estranho quando você pede um autógrafo nos machucados que você ganhou depois de um moshpit amigável e violento.

Agora, o público do Delain não é do tipo que faz mosh até alguém sangrar e nós também não somos o tipo de banda que vomita na multidão - só estou alfinetando duas situações que apareceram nesse site :) - mas, se alguém quiser seus hematomas de moshpit assinados após o show, fique à vontade! Você fez por onde!". 

Imprimir

Delain se prepara para lançar novo clipe!

Escrito por Angélica.

Delainers, o primeiro clipe do novo álbum do DelainThe Human Contradiction, já foi gravado e será lançado amanhã!

Preparem-se para ver o vídeo da faixa Stardust em um cenário completamente diferente de tudo o que a banda já fez.

Alguém mais está ansioso? Agora é esperar, mas, pelo menos, só por algumas poucas horas! (:

Imprimir

Martijn faz 35 anos!

Escrito por Jorge Oyafuso.

Hoje nosso querido co-fundador da banda, Martijn Westerholt, faz 35 anos! Desejamos a ele um dia repleto de realizações, saúde e muito sucesso e inspiração pela frente!

martijn human contradiction

Imprimir

Ouça Your Body is a Battleground!

Escrito por Jorge Oyafuso.

Eis o lyric video para Your Body is a Battleground, com participação de Marco Hietala (Nightwish, Tarot)!

Your Body is a Battleground

Any infection (Imperfection)
Any affliction (Imperfection)
Each imperfection (Don't you settle?)
Spread the addiction (Take some action)
Any disorder (Imperfection)
Bi or tri polar (Imperfection)
For your protection (Don't you settle?)
Just an injection (Take some action)

One bitter pill hard to take
And one more each day
Just to feel the same

Kill the pain

Any disorder?
No concentration
Too hard to handle?
No hesitation
For your protection
Just an injection
We'll write you a letter
The younger the better

One for your heart for your head
One for every monster under your bed

Kill the pain

Your body is a battleground
And chemicals are scattered round
Your body is a battleground
But don't think you can do without
Your body is an industry
Your pain nothing but gain to me
Your body is an industry
You can't break free
You can't break free, no

Any disorder
For your protection
Spread the addiction

 

Imprimir

Ouça trechos de The Human Contradiction!

Escrito por Jorge Oyafuso.

A Amazon liberou trechos das músicas do novo disco The Human Contradiction (versão deluxe) para audição! Além disso, já sabemos a duração das músicas. A versão standard terá 42 minutos de duração, enquanto a versão deluxe terá 80 minutos de duração.

Clique AQUI para ouvir as prévias!

TheHumanContradiction capa

The Human Contradiction:
01 Here Come the Vultures 
02 Your Body is a Battleground (feat. Marco Hietala) 
03 Stardust 
04 My Masquerade 
05 Tell Me, Mechanist (feat. George Oosthoek) 
06 Sing to Me (feat. Marco Hietala) 
07 Army of Dolls 
08 Lullaby 
09 The Tragedy of the Commons (feat. Alissa White-Gluz)

DURAÇÃO
(6:05)
(3:50)
(3:57)
(3:43)
(4:52)
(5:09)
(4:57)
(4:56)
(4:31)

CD bônus:
01 Scarlet
02 Don't Let Go
03 My Masquerade [Live]
04 April Rain [Live]
05 Go Away [Live]
06 Sever [Live]
07 Stay Forever [Live]
08 Sing to Me [Orchestra Version]
09 Your Body is a Battleground [Orchestra Version]

DURAÇÃO
(4:37)
(3:57)
(5:01)
(4:46)
(3:42)
(4:54)
(4:32)
(3:43)
(3:21)